segunda-feira, 24 de outubro de 2011

Dormindo com SleepBot.

Como vocês já devem ter percebido, aqui no Vidai, temos a preocupação em passar para os nossos clientes informações e dicas que os ajudem a ter uma vida mais prazerosa, consciente.

Quando dizemos que a nossa missão é ajudar as pessoas a terem uma “ vida mais inteligente” não é mera demagogia. Acreditamos que cada usuário possui as ferramentas necessárias para desfrutar melhor do seu tempo e buscamos “acordar” esse sentimento dentro de vocês.

Por isso, de tempos em tempos, vamos anunciar aqui parcerias com empresas que estão alinhadas com nosso pensamento, sempre no intuito de oferecer instrumentos  para melhorar a qualidade de vida de vocês.

Hoje vamos falar do SleepBot, um aplicativo de celular para regular o sono. Fácil de usar, com ele é possível ter uma idéia de como você vem dormindo através de gráficos, arquivos com o resumo do seu sono, artigos voltado para o tema e alarme com especificidades. 

Funciona da seguinte forma: Você estabelece quantas horas precisa de sono e na hora de dormir aciona o botão "going to sleep". Na hora que acorda aciona o botão "waking up" e tem então o resumo das horas dormidas naquele dia. É possível também escrever notas para cada dia de sono.


Tela inicial do aplicativo SleepBot.


Você pode inserir notas para o sono do dia.

Na segunda aba do SleepBot, é possível encontrar um gráfico que mostra a tendência de duração do seu sono entre outras opções de visualização como o padrão de sono e o alcance que varia entre 10, 30, 60, 180 dias e todos os dias que estiver armazenado.










Em "Entries" você pode selecionar ver um relatório com os horários em que você dormiu e acordou, as horas dormidas e as horas em débito, caso você não tenha dormido o suficiente. É possível então exportar esse arquivo e compartilhar nas mídias sociais ou em outros meios como mensagem de texto, email, whatsapp e dropbox.




É possível armazenar as informações.



Na terceira aba do aplicativo, "Resources", existe uma série de artigos e informações acerca do assunto como  Os tipos de de distúrbios do sono e As comidas que ajudam a dormir entre outros títulos.



Na última aba do SleepBot, a de "Settings", temos uma ampla gama de opções. Em Optimal Hour é onde se coloca as horas de sono que você precisa ( que falamos ali no início do post). 
Existem as opções de Auto Flight Mode e WiFi Auto Off, respectivamente, para não receber chamadas quando estiver dormindo e desligar o WiFi para evitar qualquer outro tipo de distúrbio pelo celular.



Na parte do despertador, que aparece o tempo inteiro no canto superior direito, existe  a opção de programar e rotular todos os tipos de alarmes e especificar sons, repetição, vibração e altura do áudio.







Esperamos que vocês usem o aplicativo o tanto quanto nós usamos aqui ( e adoramos!).
Até logo!




Sleepbot está disponível no Android Market
Para curtir a fan page no Facebook.
Para seguir no twitter.
Mais informações no site.

Imagens: fan page do SleepBot.

terça-feira, 18 de outubro de 2011

Desconectar para conectar: uma reflexão.

A tecnologia nos trouxe a real possibilidade de experimentar situações que eram consideradas impossíveis ou vistas como meros produtos dos filmes e livros de ficção científica. Quem imaginaria há trinta anos que seria possível conversar com uma pessoa que mora em outro continente por vídeochamada? Ou que poderíamos encontrar qualquer informação rapidamente à distância de um clique? Celulares e tablets com toda a funcionalidade e potência que conhecemos, e que estão se tornando ferramentas básicas e banais, não eram cogitados pela grande parte das pessoas do planeta.

Olhando bem, toda essa (r)evolução tecnológica que testemunhamos aconteceu em menos de um século! Dispositivos cada vez menores e com mais potência são criados, ao passo que um novo mundo, o virtual, começa a tomar conta do  nosso cotidiano.
A ironia disso tudo é que é exatamente esse mundo virtual, “irreal”, resultado da soma tecnologia e internet, que consome uma grande fatia das nossas vidas “reais”.

A verdade é que as realidades estão se mesclando e o que antes era ( aparentemente) simples e unilateral, ou seja, ter uma vida baseada na presença física das relações humanas, agora caminha para uma vivência complexa, com oportunidades nebulosas.

Não quero dar o alarme do fatalismo, muito menos levantar a bandeira do saudosismo não-tecnológico. Seria até estranho vindo da pessoa que vos fala, uma viciada em internet. No entanto, é necessário refletir como a tecnologia afeta nosso comportamento para que possamos extrair o melhor dela.

Afinal de contas, a idéia inicial era essa, não era?

E vejam bem, como eu mesma  me defini, sou aficcionada em internet, anseio por novas funcionalidades tecnológicas, sou assumidamente fascinada pelo turbilhão, sempre enlouquecedor, de informações que aparecem em milésimos de segundos nesse espaço infindável em sua capacidade de criar e armazenar conteúdos. Observo, gradativamente, mais pessoas entrando nessa mesma vibe, conectadas full time, sedentas por novidades, curiosas por um mundo que conhecemos tão pouco e que nos encanta tanto.

Mas  até quando vamos aguentar tanta pressão? Será que não estamos indo com muita sede ao pote?
Como toda vida dupla, estar se doando em duas esferas cansa. Fatiga e sufoca a mente.
A avalanche de notícias e novidades está ajudando a criar indivíduos ansiosos e compulsivos.
Não nos permitimos sentir tédio. A necessidade de absorver informações, produzir conteúdos, faz com que nos sintamos culpados e ansiosos quando não estamos fazendo nada.

Já vemos uma resposta à esse lifestyle cibernético. Um exemplo disso é o suicídio nas redes sociais. Algumas pessoas, cansadas da compulsão de estarem conectadas o tempo todo, acabam se matando virtualmente. Quem nunca conheceu alguém que deletou suas contas do orkut, twitter e facebook?

Ganhamos em conteúdo e informação generalizada, mas perdemos em foco e concentração em um assunto específico. Segundo Esteban Clua, professor do Instituto de Computação da UFF e gerente do Media Lab, laboratório da universidade para desenvolvimento de mídias digitais, a Geração Y, conectada full time, tem grande dificuldade em ler um texto longo porque estão acostumadas com os 140 caracteres do Twitter.

É claro que não há necessidade para extremismos. O caminho do meio pode ser uma boa maneira de equilibrar mundo real e virtual. Aliás, essa dica funciona para todos os aspectos de nossas vidas.

Portanto, desligar a televisão, o celular, ficar offline, ter um tempo para fazer nada, além de ajudar  a nossa saúde mental, nos auxilia  a olhar para nós também. O momento do ócio é uma boa ferramenta de auto-conhecimento.


O vídeo Disconnect to connect ( Desconectar para conectar), de uma operadora de celular tailandesa é um interessante exemplo de reflexão. Precisamos desconectar para interargimos com quem está do nosso lado, parar criarmos laços com quem está presente.

Cabe a nós sabermos administrar tais ferramentas. Ansiedade e compulsão sempre estiveram aí, são parte do nosso sistema emocional quando algo está  em desequilíbrio. A questão não são os sintomas, eles apenas nos avisam de que algo está fora do lugar.

Desligar é bom e eu sempre me lembro disso quando estou em ambientes em que a tecnologia não chega.

Vamos sim, ser conectados. Mas que busquemos saber o momento de desconectar. Sem culpas ou angústias. Equilibrar as realidades pode ser uma boa maneira de lidar com o paradigma dos tempos modernos.

Ficar offline (também) é preciso.

 


 

segunda-feira, 3 de outubro de 2011

5 a day: Alimentação simples e saudável.

É, meus amigos, se tem algo que pisamos na bola feio é quando se trata de alimentação.

A gente sabe que devemos buscar comer alimentos saudáveis e nutritivos, mas às vezes parece uma tarefa quase impossível aliar rotina intensa com alimentação equilibrada.

Não bastasse a correria em que vivemos, ainda temos à nossa disposição uma quantidade infindável de petiscos, doces, comida industrializada, rápida, deliciosa e…matadora.

Quem trabalha fora sabe como é difícil saber a procedência do que comemos e do seu preparo.

O problema é que, com o passar dos anos,  a tendência é progredirmos para um corpo doente, abundante em gordura e carente em nutrientes. Por isso, essa é uma boa hora para começarmos a nos conscientizar da necessidade de buscarmos uma alimentação balanceada, não acham?

O programa 5 a day, ou em português, 5 ao dia, é um plano de alimentação recomendado pela Organização Mundial de Saúde ( OMS) e adotado em países como Estados Unidos, Grã-Bretanha, Alemanha e França.

Ele consiste em colocar em sua alimentação diária cinco porções de frutas e hortaliças, os famosos legumes e verduras. O ideal é que se faça cinco refeições ao dia: café da manhã, lanche da manhã, almoço, lanche da tarde e jantar. Para cada refeição adicione um desses alimentos.

Pode ser uma maçã no café da manhã, um suco de fruta natural no lanche da manhã, uma salada de rúcula, tomate e manjericão no almoço, uma banana assada com canela no lanche da tarde, um suflê de legumes no jantar.

Como temos o costume de comer na rua, o truque é sempre se perguntar o que pode ser colocado junto de cada refeição para continuar dentro do 5 a day.

Para uma maior variedade de nutrientes e benefícios, o programa também sugere que cada porção dos alimentos seja de uma cor diferente: vermelho, laranja, roxo, verde e branco.

Os alimentos verdes auxiliam no sistema imunológico e favorecem a renovação do sangue; os amarelos são ricos em vitamina C e auxiliam na resistência em infecções como diarréia e doenças respiratórias; os vermelhos são bons para a memória, coração e previnem câncer; os roxos são antioxidantes e combatem o colesterol e doenças cardíacas; os brancos auxiliam no funcionamento do sistema nervoso e reduzem o risco de câncer e de doenças cardiovasculares.

Para mais informações sobre o programa, tabela de cores e sugestões de cardápio, acessem a versão brasileira do site  5 ao dia.
Se quiserem ainda mais infos, tem também o site do National Health Service (NHS) da Grã-Bretanha com dicas sobre como adotar o programa 5 a day na sua rotina.  


O Vidai deseja melhores e prazerosas refeições para vocês!